Quote

portrait-of-rodo-pissarro-readingblog

Portrait of Rodo Pissarro Reading (c.1899 – c.1900), Camille Pissarro.

Nesses poucos anos de blogue pude conhecer e ler muita gente boa. Verdadeiros artistas. Uns mais criativos, outros mais sentimentais. O resultado, independente da técnica, é sempre incrível. Uns textos são simples, outros são sofisticados, mas a qualidade é sempre surpreendente.  Então pensei: “Por que não compartilhar esse textos tão bons?”.

Não sei com que frequência poderei fazê-lo. Nem prometo frequência. Pretendo, contudo, fazê-lo outras vezes. Para mim funciona como forma de reconhecer colegas que têm potencial, fazer com que sua arte chegue a outras pessoas.

Para iniciar, apresento a vocês algumas das leituras que fiz hoje.  (mais…)

Anúncios

Te

the-wounded-man-1845blog

L’homme blessé (1844 – 1845), Gustave Courbet.

deito sereno
a relva é meu leito
aqui o vento soa belo

e aqui dentro o mundo se tornou tão bonito
pinturas tristes já não enfeitam meu quarto velho

e fecho os olhos para a realidade
então vejo toda essa beleza
em forma de saudade

tua calma é tão bonita
e teu olhar é tão sincero
eu quero assim, mas tenho medo (mais…)

O Nada

sun-in-an-empty-room

Sun in an Empty Room (1963), Edward Hopper.

é estranha essa sensação de vazio
como tudo fosse oco, fosse seco, fosse cinza
como tudo se fosse

para onde foram o sentir, o dizer, o doer, o prazer?
para onde foram o ver, o saber, o sofrer?

onde está o amar, o mar, o ar, a poesia?

e toda aquela sensibilidade, que fim tomou?
e a angústia? e a saudade? (mais…)

Guardar

Antonio Cícero


Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la.
Em cofre não se guarda coisa alguma.
Em cofre perde-se a coisa à vista.

Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por
admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado.

Guardar uma coisa é vigiá-la, isto é, fazer vigília por
ela, isto é, velar por ela, isto é, estar acordado por ela,
isto é, estar por ela ou ser por ela. (mais…)

Pequena crônica de estrada

terrace-in-zhukovka-1888blog

Terrace in Zhukovka (1888), Konstantin Korovin.

Foi uma longa viagem entre Fortaleza e Salvador. Dentre as minúcias da estrada, minha atenção se voltou apenas para uma. Essa tal é de uma beleza comparável ao verde rico da Caatinga depois de um banho generoso. Um senhor. Avistei um senhor. Estava sentado no alpendre da sua pequena casa. Senti, de início, inveja do que aqueles olhos já viram. Mas depois senti curiosidade pelas centenas de histórias que poderia ouvir de seus lábios. Enfim me senti feliz por essa possibilidade e, triste por tê-lo perdido de vista, dada a velocidade em que passava por aquele trecho.


Lucas Lopes. 26 de julho de 2017.

Um retrato

Processed with VSCO with x1 preset

Caponga – CE (2017), Lucas Lopes.

Hoje escrevo deitado sobre a areia fofa da praia de Caponga. Mesmo onde me acomodo, habita o mar, que ora tímido se recolheu. E porque se recolheu, o povo desceu para o ofício. Vejo uma dúzia de pescadores que contemplam a divindade fluida, esperando que dê-lhes a graça de uma rede cheia. Mas eu queria falar das rochas nuas, expostas pela maré baixa. Resistentes. Fixas. Moldadas pela força do mar – ora bravo, ora brando. Tal como nós, estão continuamente nesse ciclo de afogamento e ascensão, em que o sol abençoa e o vento refresca. Tal como os pescadores, plenos de esperança e de história.

Permaneço a apreciar esta paisagem adornada pelas aves que voam contra a força do vento.


Lucas Lopes. 22 de julho de 2017.

Das crenças

elijah-on-the-top-of-mount-carmel-announced-the-impending-rain-before-any-single-cloud-in-thelarge

Elie, du haut du mont Carmel, annonce la pluie prochaine avant qu’un seul nuage paraisse dans le ciel [I, Rois, XVIII, 41-46] (1956), Marc Chagall.

Não sou crente. Há alguns anos me distanciei de qualquer crença e definição. Estava no 038, na última semana, sentado ao fundo. Ouvia uma voz em melodia. Não conseguia entender o que cantarolava. Só conseguia perceber a mudança de ritmos. E então notei que havia uma mudança rápida de música. Aproximou-se da hora de deixar o coletivo, no Benfica. Dirigi-me para a saída. Pude ver o cantor, sentado no banco logo atrás da porta de desembarque. Um senhor, com sinais de abandono, roupas sujas e velhas. Os pés feridos. Aparentemente com alguma deficiência mental. Sozinho. Contudo crente. (mais…)