Desatar

bild-vom-vater-1932
Bild vom Vater (1932), Adolf Dietrich

o poeta é um ator
que segue o roteiro
do lápis que desenha
atua na forma de
grafemas

desenha suas sensações
com a paleta do
crepúsculo

pinta as dores suas
com as tintas cinzentas
das noites nubladas

pontua os versos com
o arfar silencioso
das brisas violentas que atravessam as janelas da alma.

segue o ritmo da melodia
que o salão da vida
disser que é pra tocar

mas nem sempre consegue seguir o ritmo

usa máscaras
e o clima dita qual usar

pinta a cara
a maquiagem às vezes larga logo
às vezes não larga nunca

às vezes há prontidão
às vezes há desânimo

o espetáculo começa sem prévio ensaio
o poeta se vira, enrola
ou nem sobe ao palco

o poeta é um desator
desatou.


Lucas Lopes. 25 de janeiro de 2017.

Anúncios

4 comentários sobre “Desatar

  1. Triccia Araújo disse:

    Já li vários poemas falando sobre o poeta, de como é a sua sina, o seu fardo, a sua dor de existir… também a sua beleza de ser e de ver o mundo, com olhos de pintor.

    E o seu poema está entre os meus favoritos, agora.

    Abraço

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s